Bem vindo ao Adapt-Free   Click to listen highlighted text! Bem vindo ao Adapt-Free

Notícias Adapt-free

As 10 cidades mais acessíveis do mundo

Inovações que ajudam as pessoas com deficiência a se locomoverem fazem com que cidades como Melbourne (Austrália) e Estocolmo (Suécia) se destaquem.

O turismo está se tornando cada vez mais acessível, apesar do fato de que as pessoas se movem lentamente em alguns lugares, assim vem surgindo mesmo aos poucos transporte adaptado, rampas ao invés de escadas e descrições em braile.

Claro, ainda é difícil encontrar essas acomodações na maioria dos destinos turísticos ao redor do mundo, portanto, deslocar-se ainda é um problema para pessoas com deficiências.

Alguns lugares, entretanto, são uma exceção à regra e oferecem acessibilidade em toda a cidade, não apenas em aeroportos e hotéis. Isto significa que estes são referências genuínas no segmento.

Então, dê uma olhada nas 10 cidades mais acessíveis do mundo!

1. Milão, Itália

Milão, Itália, é uma das cidades mais acessíveis da Europa. Isto é o resultado tanto de seus esforços passados para aumentar a acessibilidade quanto de seus planos aspiracionais para o futuro, que os comprometem a promover a autossuficiência e a autonomia. Por isso, ela foi reconhecida em 2016 com o prêmio Europeu de Cidades Acessíveis.

Com exceção dos locais históricos, a maioria das atrações turísticas da cidade são acessíveis através de uma rampa ou de um elevador. Pessoas com deficiência não precisam esperar por atrações ou comprar ingressos, o que é um fato interessante de se saber.

2. Breda nos Países Baixos

A cidade de Breda, na Holanda, ou Países Baixos foi reconhecida por seus esforços para facilitar a vida das pessoas com deficiência com o prêmio Europeu de Cidades Acessíveis em 2019.

Desde que o projeto “Breda For Everyone” foi implementado, criou uma cidade mais acessível. A Igreja Grote Markt e a área comercial são ambas acessíveis às pessoas com deficiência, entre outras coisas. 

Um grande evento esportivo europeu para pessoas com deficiência também é realizado na cidade a cada dois anos, além do ParaGames.

3. Toronto, Canadá

Quando se trata de acessibilidade, o Canadá é um porta-estandarte. Rampas de acesso, elevadores, portas automáticas e a infraestrutura ideal para uma viagem confortável e sem problemas podem ser encontradas em todas as cidades, especialmente nas maiores.

Toronto é sem dúvida uma das cidades mais legais para se visitar no Canadá, com uma série de atrações fantásticas. Não perca a Galeria de Arte de Ontário enquanto você estiver lá!

Por fim, vale destacar que infraestrutura adequada da Galeria de Arte de Ontário enquanto permite aos visitantes ver mais de 90.000 peças de arte de uma variedade de períodos de tempo e culturas.

4. Dublin, Irlanda

Você vai se apaixonar por Dublin no momento em que puser os pés nela! Além de ser um dos destinos mais facilmente acessíveis do mundo, Dublin também tem uma infinidade de atrações para explorar.

Os usuários de cadeiras de rodas podem navegar facilmente pelas ruas largas, que apresentam rampas e semáforos principais mais longos.

A Galeria Nacional da Irlanda, uma das atrações mais populares de Dublin, tem uma ótima acessibilidade!

Existe ambientes adequados para cães-guia ou infraestrutura acessível, e passeios especiais para deficientes auditivos e visuais são oferecidos sem custo adicional.

5. Berlim, Alemanha

Berlim é uma ótima cidade para se visitar também. A infraestrutura da cidade é de primeira qualidade e é fácil de se locomover.

Em 2013, a Comissão Europeia e o Fórum Europeu de Deficientes concedeu à capital alemã o título de “Cidade Acessível”.

O parlamento alemão se reúne no recentemente renovado Palácio do Reichstag, que é imperdível quando se encontra em Berlim. Você aprenderá muito sobre a história alemã em um ambiente completamente acessível na visita ao palácio.

6. Seattle, EUA

Em geral, os aplicativos de mapeamento facilitaram o deslocamento de boa parte das pessoas pelas cidades, porém a falta de informações sobre rampas e guias rebaixadas torna esses aplicativos inacessíveis às pessoas com deficiências físicas. Há vários bairros em Seattle onde não há calçadas, e muitas ruas têm declives de até 20%. 

Um aplicativo desenvolvido pelo Taskar Center for Accessible Technology da Universidade de Washington ajuda os pedestres com planos de mobilidade limitados a traçados acessíveis. Assim, o AccessMap permite aos usuários inserir um destino e receber sugestões de rotas, com base em configurações personalizadas, tais como limitar as encostas em colinas ou encostas. 

As imagens do aplicativo mostram também a inclinação das ruas em Seattle, com o verde denotando uma superfície plana e o vermelho denotando uma inclinação de 10% ou mais.

Como a Rua Pike tem uma inclinação inferior a 2%, é a rota preferida pelos pedestres que viajam da Estação de Rua da Universidade para a Prefeitura na AccessMap em vez da Rua Seneca, que tem uma inclinação de 10%.

Além disso, os dados do mapa Departamento de Transporte de Seattle e do Serviço Geológico dos EUA estão incluídos com informações de eventos. 

Aliás, o OpenSidewalks, um projeto relacionado do Taskar Centre, está expandindo as capacidades do AccessMap ao permitir que os usuários contribuam com dados adicionais, tais como largura das calçadas e localização dos corrimões.

7. Singapura

Haverá um “tsunami prateado” em Cingapura até 2030, com um em cada cinco cingapurianos com mais de 60 anos de idade. Esta pode não ser a primeira vez que a cidade recebe elogios das Nações Unidas por sua acessibilidade e facilidade de uso.

As diretrizes de Projeto Universal da Autoridade de Construção de Cingapura têm encorajado a acessibilidade em novas construções desde sua estreia em 2007.

CapitaGreen, um edifício de escritórios de 40 andares no centro de negócios principal da cidade, ganhou várias honrarias por seu projeto universal. A construção projetada pela Toyo Ito, que custou US$ 1,3 bilhões e foi concluída em 2014, tem áreas livres de colunas e uma mesa de boas-vindas com um balcão baixo para facilitar a movimentação no edifício para pessoas com deficiências.

Corrimões em ambos os lados dos degraus e pegadores para cadeiras facilitam a subida e descida das escadas para as pessoas com deficiências. 

Para os deficientes visuais, instruções em braile, assistência táctil e pictogramas de fácil leitura estão todos disponíveis para ajudá-los em suas vidas diárias. Não há obstáculos para chegar ao local de trabalho a partir das passarelas subterrâneas ou das duas estações de MRT (sistema de linhas do metrô).

Durante a última década, o MRT de Cingapura também tem tentado aumentar a acessibilidade. Foram feitas melhorias de acessibilidade às 138 estações de 30 anos; e agora mais de 80% delas têm no mínimo dois caminhos sem barreiras.

8. Stratford-upon-Avon, Inglaterra

Além de ser o local de nascimento de William Shakespeare, Stratford-upon-Avon é um destino popular para pessoas com deficiências. 

Vários bares e restaurantes locais, assim como quase todos os outros negócios locais, são acessíveis em cadeira de rodas. 

Quando você considera a longa história da cidade, você pode ver como ela teve que se adaptar para acomodar usuários de cadeira de rodas ao longo do tempo.

As apresentações da Royal Shakespeare Company e Theatres são um grande atrativo em Stratford-upon-Avon. Os três teatros de propriedade desta empresa abrigam uma variedade de peças e espetáculos, principalmente de Shakespeare. 

As pessoas com deficiências podem sentar-se na primeira fila da atração, que tem assentos e aparelhos auditivos especiais, bem como apresentações legendadas, um intérprete da Libras e uma descrição em áudio.

9. Barcelona, Espanha

Os Jogos Paraolímpicos de 1992 em Barcelona melhoraram a acessibilidade para as pessoas com deficiência na cidade. Bares, restaurantes, parques e outras atrações turísticas tiveram suas entradas redesenhadas para torná-las mais fáceis de usar.

Aqueles com deficiência ou mobilidade limitada podem aproveitar um serviço chamado Sin Barreras (Sem Barreiras, em português) no aeroporto da cidade.

O Museu de Arte Contemporânea de Barcelona é uma visita obrigatória para os cegos ou deficientes visuais, pois apresenta obras de arte táteis com descrições em áudio.

10. Korsør, Dinamarca

Vários prêmios foram concedidos ao complexo esportivo Musholm em Korsør, incluindo um do Comitê Olímpico Internacional e um do Comitê Paraolímpico Internacional, pela renovação da estrutura básica de 1998 que foi concluída em 2015.

Com um sistema integrado de polias e um teleférico aéreo e uma parede de escalada para usuários de cadeira de rodas em seu coração, o local é propriedade da Fundação Dinamarquesa de Distrofia Muscular. 

Ao ar livre, há uma escada de 100 metros de comprimento que se eleva do andar térreo do salão até um salão no terraço. Nessa região, há o Musholm, que foi construído a um custo de 14,5 milhões de euros, e é uma organização sem fins lucrativos.

Guinchos de teto, cortinas eletrônicas, toaletes reguláveis em altura e banheiros acessíveis estão disponíveis em cada uma das 24 casas. Aliás, os usuários de cadeiras de rodas podem acessar a doca privada na beira da água através de uma rampa, que é larga o suficiente para cadeiras de rodas.

Por fim, se você gostou deste artigo e o achou útil, compartilhe-o com seus amigos!

Compartilhe

Accessibility
Click to listen highlighted text!